UTI do Hospital Universitário de Maringá atinge 120% de ocupação

O Hospital Universitário de Maringá (HUM) atingiu 120% de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) contra Covid-19. O HUM tem 20 leitos de UTI adulta exclusivos para Covid-19 e, com a lotação, foi preciso abrir outros 4 leitos na sala de emergência.

No começo da pandemia, o Hospital Universitário de Maringá criou um Pronto Atendimento (PA) exclusivo para sintomas respiratórios. Muitos pacientes atendidos no PA acabavam internados. Com o agravamento dos casos de Covid-19, essa porta de entrada passou a concorrer com a fila de espera por leitos da Central de Regulação do Estado.

Por conta disso, o hospital comunicou, também no fim de semana, que decidiu fechar o Pronto Atendimento Respiratório. A superintendente do HUM, Elisabete Kobayashi, explica a decisão.

“A secretaria de Saúde tinha determinado que pacientes com sintomas respiratórios deveriam ser encaminhados para a UPA. Naquele momento, eles até haviam colocado uma ambulância à disposição para isso. O maior problema era a questão logística e entedemos que seria mais interessante, para o HUM, ter uma estrutura pronta para receber esse pacientes. Então, aproveitamos que o ambulatório estava sem atendimento, devido aos decretos estaduais, e criamos esse PA respiratório, mas isso de maneira voluntária, só para ajudar na logística de atendimento. O que aconteceu foi que o PA virou referência e criou uma fila de entrada dentro do HUM que não é regular”, explicou.

O hospital esclarece ainda que tem 35 respiradores. Todos estão tombados como patrimônio da UEM e em uso. O esclarecimento é em função da informação de que haveria respiradores recebidos em doação, ainda encaixotados no hospital.