Variedades

10 maiores bilionários do Brasil em 2019

Foi por pouco – mas não foi desta vez. Durante quase oito meses de 2019 (entre o meio de janeiro e o começo de agosto), o banqueiro mais rico do mundo, Joseph Safra, ocupou o posto de maior bilionário brasileiro pela primeira vez, graças às oscilações negativas do patrimônio do então soberano Jorge Paulo Lemann. No topo desde 2013, o megainvestidor viu seu trono ser tomado neste ano após um prejuízo enorme em um de seus principais negócios – algo raro na carreira. Pouco antes de a lista fechar, no entanto, o carioca se reestabeleceu no primeiro lugar devido à alta de outros tantos ativos.

Esse dinamismo é uma das marcas da lista de bilionários brasileiros da Forbes, que chega à oitava edição em 2019 com número recorde de representantes: 206 – 26 a mais do que no ano passado (de 2017 para 2018, o crescimento foi de dez nomes). Impulsionados por fusões, IPOs, vendas de participações acionárias e bons resultados financeiros, só neste ano ocorreram 20 estreias na lista, cinco retornos, quatro saídas e um maciço aumento de fortunas.

1 JORGE PAULO LEMANN

R$ 104,71 bilhões
Idade 80 anos | Nascimento RJ |
Origem do patrimônio Bebidas/investimentos

Nesta edição o megainvestidor quase perde o posto de maior bilionário brasileiro – ocupado por ele desde 2013, quando desbancou Eike Batista. Em 2019, o homem por trás do sucesso da Ambev passou oito meses atrás do banqueiro Joseph Safra em função de uma aposta não muito certeira no setor de alimentação. Por meio da 3G Capital, fundo de investimentos que opera junto dos bilionários Marcel Herrmann Telles e Carlos Alberto Sicupira, Lemann tentou formar um império alimentício com a fusão das gigantes norte-americanas Kraft Heinz, controlada pelo grupo com a Berkshire Hathaway, empresa de investimentos de Warren Buffett. O negócio não deu certo. Desde então, as ações da companhia despencam. Em abril, o conglomerado chegou a trocar de CEO, mas a crise não perdeu força. Fazendo coro às declarações de Buffett, o próprio Lemann admitiu que o negócio não saiu como ele gostaria. Ainda assim, o bilionário carioca tem investimentos em algumas das maiores empresas do planeta, como o conglomerado cervejeiro AB-InBev e o Burger King, o que garante sua estabilidade. No Brasil, está por trás da expansão da rede de padarias Benjamim.

2 JOSEPH SAFRA

R$ 95,04 bilhões
Idade 81 anos | Nascimento Líbano (naturalizado brasileiro) |
Origem do patrimônio Setor bancário

Pela primeira vez e por um período relativamente curto, o banqueiro mais rico do planeta tomou a ponta do ranking dos bilionários brasileiros. Durante oito meses deste ano, Safra ultrapassou Lemann graças à solidez do seu império bancário comparado à instabilidade dos investimentos de capital aberto. Com a família já estabelecida no Brasil, o libanês herdou, em 1955, o banco fundado pelo pai, Jacob (1891-1963). Joseph assumiu a liderança ao lado dos irmãos Edmond e Moise. Depois da morte de Edmond (1999), Joseph comprou a participação de Moise, em 2006, por um valor não revelado. Hoje, Safra tem um império bancário que leva seu nome: é dono do Banco Safra (Brasil), do J. Safra Sarasin (Suíça) e do Safra National Bank (EUA). Os dois últimos são comandados pelo filho mais velho, Jacob, enquanto os outros dois, David e Alberto, gerenciam as operações brasileiras. Safra tem investimentos imobiliários em algumas das principais metrópoles do planeta e é dono, ao lado do bilionário José Cutrale, da gigante Chiquita Brands, maior produtora de bananas do mundo.

3 MARCEL HERRMANN TELLES

R$ 43,99 bilhões
Idade 69 anos | Nascimento RJ |
Origem do patrimônio Bebidas/investimentos

Sócio de Jorge Paulo Lemann na 3G Capital e em outros empreendimentos, Telles acompanhou as quedas de patrimônio e de posição do megainvestidor na lista, alavancadas pelo fracasso da Kraft Heinz. Fundador da Ambev, o ex-detentor
da Brahma tem se envolvido cada vez menos no dia a dia das empresas em que tem participação. Depois de já ter deixado o conselho de administração do grupo cervejeiro em 2018, saiu do board do conglomerado de comidas em abril deste ano.

4 EDUARDO SAVERIN

R$ 43,16 bilhões
Idade 37 anos | Nascimento SP |
Origem do patrimônio Internet

Em meio aos altos e baixos que o Facebook tem apresentado a seus acionistas devido a sucessivos escândalos relacionados à privacidade dos usuários (o último deles em dezembro de 2018), Saverin apresentou uma leve queda de patrimônio se comparado ao último ano. Já faz tempo, no entanto, que a rede social mais popular do mundo não é a única fonte de renda de um de seus cofundadores. Residente em Singapura desde 2012, ele mantém uma empresa de investimentos mais focada em startups, com atuação em vários segmentos. Seu raio de ação se concentra principalmente na Ásia e nos Estados Unidos.

5 CARLOS ALBERTO SICUPIRA E FAMÍLIA

R$ 37,35 bilhões
Idade 69 anos | Nascimento RJ |
Origem do patrimônio Bebidas/investimentos

Como os sócios da 3G Capital (Lemann e Telles), Sicupira foi impactado com a queda da Kraft Heinz: mais de R$ 7,8 bilhões a menos no patrimônio. Desde 2016, o investidor também é presidente do conselho de administração das Lojas Americanas, mesa que compartilha com a filha Cecília e Paulo Alberto Lemann, primogênito de seu sócio.

6 ANDRÉ ESTEVES

R$ 20,75 bilhões
Idade 50 anos | Nascimento RJ |
Origem do patrimônio Setor bancário

Esteves é o maior acionista individual do BTG Pactual, maior banco de investimentos independente da América Latina. Ele ocupou a presidência do banco até 2015, quando foi preso pela Operação Lava Jato e ficou afastado das operações da instituição até ser absolvido, em julho de 2017. Apesar de não ter voltado a integrar oficialmente a diretoria ou o conselho administrativo, permanece como grande acionista por meio da BTG Pactual Holding, controladora da financeira, com cerca de 68% dos ativos. Ele volta às principais posições da lista, depois de três anos, graças ao crescimento das ações do BTG, que aumentaram mais de três vezes. No dia 23 de agosto, foi um dos alvos de busca e apreensão na 64ª fase da Lava Jato.

7 LUIZ FRIAS

R$ 20,34 bilhões
Idade 56 anos | Nascimento SP |
Origem do patrimônio Pagamentos móveis/mídia

Frias é CEO e presidente do conselho de administração da empresa de pagamentos PagSeguro, principal fonte de sua fortuna. Com a recente elevação do preço-alvo das ações pelo banco norte-americano Morgan Stanley, os ativos da companhia estão no melhor momento desde o IPO, em janeiro de 2018, com aumento de mais de 40% em um ano. Apesar do sucesso no mercado financeiro, sua história é fortemente ligada à imprensa: desde 1962, a família Frias é dona do jornal Folha de S.Paulo, do qual hoje ele é presidente. Luiz também é o criador do portal UOL, um dos maiores da América Latina, lançado em 1996. O conglomerado envolve ainda o jornal Agora São Paulo, o instituto Datafolha, a editora Publifolha, o selo Três Estrelas e a Plural Editora e Gráfica.

8 JOESLEY BATISTA (esq.)

R$ 14,78 bilhões
Idade 47 anos | Nascimento GO |
Origem do patrimônio Alimentos

8 WESLEY BATISTA (dir.)
R$ 14,78 bilhões
Idade 49 anos | Nascimento GO |
Origem do patrimônio Alimentos

Filhos de José Batista Sobrinho, fundador da JBS, os irmãos integravam o conselho de administração da gigante de carnes até maio de 2017, quando renunciaram às posições depois de acertar acordo de delação premiada na Operação Lava Jato. Apesar de ter a imagem seriamente abalada durante as investigações, o controle da família sobre o grupo, hoje gerenciado pela J&F, conglomerado com participação em empresas de celulose, de higiene e até do setor financeiro, não acabou. O fundador se mantém como vice-presidente do conselho administrativo e seu neto, Wesley Mendonça Batista Filho, compõe a mesa. Nos negócios, os resultados não poderiam ser melhores: o lucro líquido da JBS cresceu 201% no ano fiscal terminado em março deste ano.

10 CANDIDO PINHEIRO KOREN DE LIMA

R$ 13,82 bilhões
Idade 73 anos | Nascimento CE |
Origem do patrimônio Saúde

Formado em medicina e especializado em oncologia, Lima fundou a prestadora de serviços de saúde Hapvida em 1979. Em abril de 2018, a companhia abriu capital na B3 com uma demanda seis vezes maior que o previsto. Mais de um ano depois, o valor cresceu cerca de 40%. Como maior acionista da empresa, viu seu patrimônio saltar R$ 6,2 bilhões. Ele também ocupa a presidência do conselho, apoiado pelos filhos Jorge e Candido Junior, também bilionários.

*Com informações e fotos da Forbes