Mandaguari

Maioria dos candidatos a vereador de Mandaguari concluíram o ensino médio e não tem bens

Levantamento feito pela reportagem junto à Justiça Eleitoral aponta ainda o envelhecimento dos postulantes ao legislativo
São 166 os candidatos a vereador em Mandaguari (Foto: Rogério Curiel/Agora Comunicação)

Com 166 candidatos a vereador, Mandaguari tem um número recorde de postulantes ao legislativo nas eleições de 2020. O dado ainda pode mudar, já que a Justiça Eleitoral não concluiu o julgamento das candidaturas, mas a maioria dos concorrentes a uma vaga na Câmara é composta por homens brancos, casados, acima dos 50 anos e que concorrem usando algum apelido.

Os dados obtidos pelo Jornal Agora junto do Tribunal Superior Eleitoral apontam ainda que boa parte dos candidatos concluiu o ensino médio, não tem patrimônio declarado e possui ocupação informal. Confira a seguir algumas estatísticas levantadas pela reportagem.

Apelido

Pelo menos 62% dos candidatos a vereador de Mandaguari usa algum apelido, segundo a Justiça Eleitoral. São 103 mandaguarienses concorrendo trocando o nome de batismo por um apelido ou usando complemento como profissão, bairro onde reside ou local de trabalho. Nenhum candidato local registrou pedido para usar nome social.

Idade

Os dados da Justiça Eleitoral apontam ainda o desinteresse da população mais jovem pela política. Nenhum dos 166 candidatos tem menos de 20 anos. Já na faixa etária de 21 a 24 anos há apenas dois candidatos a vereador.

A faixa etária com maior número de candidatos é 50 a 54 anos – com 28 postulantes a uma cadeira na Câmara Municipal. Em seguida aparecem candidatos com idades entre 45 e 49 anos – são 26. Outro detalhe que chama atenção é que há dez candidatos com idades entre 70 e 74 anos.

Cor da pele

Dos candidatos, 116 são brancos (quase 70%), enquanto outros 50 se declaram negros, pardos ou amarelos.

Estado civil

Os casados são maioria entre os mandaguarienses que buscam a cadeira de vereador: 90. Há ainda na disputa 47 solteiros, 23 divorciados (dois deles separados judicialmente) e seis viúvos.

Profissão

Em 2020 é grande o número de candidatos com alguma ocupação informal. 42 deles colocaram “outros” como profissão. Entre aqueles com ocupações formais, há 14 aposentados, 11 comerciantes e 11 empresários, além de 9 servidores públicos.

Escolaridade

Dos 166 candidatos, 61 não concluíram o ensino médio – destes, cinco não possuem escolaridade alguma, mas afirmam que sabem ler e escrever, outros 26 começaram, mas não concluíram o fundamental, 18 concluíram apenas o fundamental e 12 começaram o ensino médio e desistiram.

São 105 os candidatos que concluíram o ensino médio – 61 apenas concluíram o “segundo grau”, 38 tem ensino superior e seis começaram o ensino superior e desistiram.

Patrimônio

A maior parte dos candidatos declarou à Justiça Eleitoral que não tem patrimônio. São 74 registros com relação de bens “zerada”, muitos deles de candidatos que tem comerciante ou empresário como profissão. 15 candidatos declararam possuírem bens de até R$ 10 mil, outros 39 declararam patrimônio entre R$ 10 mil e R$ 100 mil.

Há ainda 31 candidatos que declararam bens entre R$ 100 mil e R$ 500 mil e seis com mais de R$ 500 mil. Dos 166 candidatos a vereador, um tem patrimônio declarado de mais de R$ 1 milhão.

*Reportagem publicada na 353ª edição do Jornal Agora