Corinthians reduz folha salarial e mira economia de R$ 2 milhões por mês com saídas de jogadores

O Corinthians conseguiu reduzir a folha salarial da equipe principal em mais de R$ 1,5 milhão desde o começo deste ano. O corte de gastos é comemorado internamente, mas a diretoria do clube ainda quer mais e espera enxugar as despesas com jogadores em aproximadamente R$ 2 milhões por mês.

A maior parte da economia veio logo no início de 2021, quando chegaram ao fim os contratos do lateral-esquerdo Sidcley e do atacante Mauro Boselli. Somente com salários em carteira, o Corinthians gastava cerca de R$ 840 mil com a dupla.

A redução de despesas teve continuidade com o fim da última temporada, há duas semanas. Desde então, o clube negociou o goleiro Walter, o zagueiro Marllon e o atacante Jonathan Cafú com o Cuiabá, o atacante Davó com o Guarani e o volante Éderson com o Fortaleza – os três últimos voltarão ao Timão no ano que vem, após empréstimos.

Só com salários, sem considerar outros encargos, o Corinthians gastava aproximadamente R$ 900 mil com estes cinco jogadores. O clube não divulgou se continuará arcando com parte dos vencimentos destes atletas durante os empréstimos.

O enxugamento da folha salarial deve prosseguir com as saídas do lateral-direito Michel Macedo e do atacante Everaldo. Ambos estão fora dos planos do técnico Vagner Mancini e conversam com outros clubes. Caso a dupla seja negociada, o Corinthians economizará cerca de R$ 300 mil.

No fim da semana passada, o meia-atacante Madson foi emprestado ao Santa Cruz. Porém, o jovem de 21 anos não representa um corte de despesas ao Timão, afinal, em 2020 ele já não estava no clube, tendo sido emprestado a Fortaleza e Oeste.

Por outro lado, o volante Matheus Jesus e o atacante André Luís tiveram contratos reativados com o Corinthians em fevereiro. O primeiro estava emprestado ao Red Bull Bragantino. Já o segundo regressou ao Timão após transferência frustrada ao Daejeon Hana Citizen, da Coreia do Sul. Ambos devem ser negociados novamente.

Quem estava emprestado e retornou foi o zagueiro João Victor, após empréstimo ao Atlético-GO. Ele, porém, tem salários baixos em relação à média do elenco.

O Corinthians fechou a temporada passada com uma das maiores folhas salariais do Brasil. Considerando também direitos de imagem e outros encargos, o gasto mensal com o time profissional estava próximo de R$ 12 milhões.

Enfrentando dificuldades econômicas, o Timão trabalha para reduzir em 20% os custos de todos os departamentos. No último balanço financeiro divulgado, referente até setembro de 2020, dívida alvinegra era de R$ 920 milhões.