Região

SOS Tecnologia: Em tempos de ensino remoto, projeto da UFPR dá suporte gratuito a professores

Em 2014, o campus de Jandaia do Sul da Universidade Federal do Paraná (UFPR) deu início ao projeto “Por dentro do Computador”, uma extensão universitária com o objetivo de divulgar a ciência e a tecnologia para as pessoas de uma forma mais acessível, com linguagem mais simples.

Seis anos depois, o projeto ganhou um novo braço, o SOS Tecnologia, iniciativa que oferece conteúdo e suporte de forma gratuita a professores durante os tempos de ensino remoto improvisado, situação condicionada pela pandemia de Covid-19. “A gente tem conceituado esse período como ensino remoto, que é com distância, mas como ensino remoto emergencial. Diferente da educação à distância, onde a plataforma é pensada com antecedência, com métodos de ensino, avaliação e interação mediados pela tecnologia, a situação na qual estamos é uma onde a gente teve que se adaptar da forma que deu”, explica a professora e Mestre em Educação Maytê Gouvêa Coleto Bezerra, coordenadora do “Por dentro do computador”.

“Sem tempo para passar por um treinamento adequado e intimidade com a tecnologia, muitos professores enfrentaram e ainda enfrentam dificuldades de ministrar aulas, enviar atividades. Para colaborar com toda a comunidade educacional, a equipe do projeto começou a produzir conteúdo sobre tecnologia e também criamos um canal de suporte online para sanar prontamente as dúvidas de professores e professoras”, complementa Maytê. 

ACESSO – Educadores interessados em receber o suporte da equipe podem acessar o site do projeto, pelo endereço www.pordentrodocomputadorblog.wordpress.com. Na página inicial há um botão “SOS Tecnologia”, que encaminha para a página de suporte. A equipe disponibiliza salas de bate-papo ao vivo, e tutoriais das 9h às 11h e das 14h às 16h às segundas, terças e quintas-feiras.

Sem data para retomada de aulas, Paraná já autorizou retorno das atividades extracurriculares

Ainda sem data definida para retorno das aulas presenciais, o Paraná retomou na última segunda-feira, dia 19 de outubro, as atividades extracurriculares na rede estadual de Educação. A medida também abrange as escolas municipais e privadas para turmas do Infantil (a partir de 5 anos), Ensino Fundamental I e II e Ensino Médio. As aulas curriculares presenciais seguem suspensas.

A decisão foi tomada com base em dados das secretarias estaduais da Saúde e da Educação e Esporte, e leva em conta a redução do risco epidemiológico, com queda de contágio, redução nos números de mortes e da ocupação dos leitos em hospitais. A proposta é oferecer reforço escolar e nivelamento, além de atividades de educação física, idiomas e artes, sempre seguindo rígidos protocolos de sanitários.

“Temos é um grupo de trabalho que está estudando a maneira de voltar a abrir as escolas, prioritariamente naquelas cidades em que a circulação do vírus já está mais baixa. Se caso o professor, a diretora e aluno e os pais entenderem que a criança precisa de reforço, a escola estará à disposição para dar essa atenção”, afirma o governador Carlos Massa Ratinho Junior.

O secretário de Estado da Educação e do Esporte, Renato Feder, informa que o retorno será facultativo à adesão das famílias, devendo os pais ou responsáveis autorizar a presença dos filhos nas atividades extracurriculares. Com base nas autorizações dos pais, serão definidas a logística da reabertura tanto para as escolas estaduais, municipais e privadas.

Feder acrescenta que na rede estadual continuam as aulas remotas no Aula Paraná, que hoje atende 1,07 milhão de alunos. “Manteremos as aulas, com atividades escolares, meetings entre os professores e alunos e todas as atividades que continuam no Aula Paraná”, disse.

ATIVIDADES POSSÍVEIS - São consideradas atividades extracurriculares recursos escolar e nivelamento; aprofundamento da aprendizagem; atendimento educacional especializado; atendimento pedagógico individualizado; cursos de idiomas; experimentação e iniciação científica; cultura e arte, esporte e lazer; tecnologias da informação, da comunicação e uso de mídias; meio ambiente; direitos humanos; promoção da saúde; e mundo do trabalho e geração de rendas.

REGRAS – A Secretaria da Saúde orientou a equipe de educação do Estado que a retomada das atividades seja feita de forma segura. Entre as regras estabelecidas entre as secretarias, por meio do Comitê ‘Volta às Aulas’, constam orientações sobre monitoramento de temperatura corporal na entrada das escolas; higienização dos espaços de aula; distanciamento físico mínimo entre indivíduos e escalonamento de corpo docente para o ensino presencial, entre outros pontos.

O uso de máscaras, por exemplo, será obrigatório para todas as pessoas que frequentarem as escolas, em todos os espaços de uso coletivo - inclusive no interior das salas de aula. Haverá álcool em gel nas salas abertas aos alunos, salas de professores em espaços comuns da escola.

Estudantes e profissionais da educação que sejam comprovadamente parte do grupo de risco não deverão voltar às atividades presenciais. “Tenho sido enfático que só poderemos retornar com as aulas presenciais com a queda sustentada de casos. Quem vai dizer se podemos retornar ou não é o comportamento da pandemia”, afirma o secretário estadual da Saúde, Beto Preto.

Segundo ele, o Estado tem observado há algumas semanas a queda no número de casos e óbitos, mas ainda é necessário cautela. “Temos uma estrutura hospitalar robusta, que nos dá segurança e retaguarda, e uma estratégia de testagem que deu certo. Todos estes elementos nos permitem esse movimento agora. No entanto, insisto que os protocolos devem ser seguidos, mesmo que não tenhamos aulas presenciais”, ressalta o secretário Beto Preto.