Região

Samu e clínicas se mobilizam para emprestar oxigênio a hospital particular de Maringá

O Hospital Paraná de Maringá passou por um susto nesta terça-feira (8), o hospital, que é particular, precisou da ajuda do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e de outros dez hospitais e clínicas da cidade para conseguir manter a oferta de oxigênio aos pacientes.

A instituição atende muitos pacientes com Covid-19 e, desde o início da pandemia, com o aumento da demanda por oxigênio, o hospital aumentou a capacidade de abastecimento, com a troca de reservatórios. Mas uma falha no sistema de distribuição fez com que o oxigênio não chegasse aos pacientes. 

Um plano de contingência foi colocado em prática, mobilizando o Samu e outras entidades, citados num comunicado divulgado pelo Hospital Paraná. 

O hospital não explica o que exatamente aconteceu e o que significa “problema pontual no fluxo de oxigênio”, como está descrito no comunicado. Mas o coordenador do Samu, o médico Maurício Caetano, diz que não faltou oxigênio e nenhum paciente precisou ser removido.

“Houve uma pane no sistema que fornece o oxigênio. Então, houve uma baixa pressão, eu não sei te precisar o problema que deu, mas não houve falta […]. Para dar um apoio ao Hospital Paraná, eles estavam pegando emprestado cilindros de vários hospitais da cidade e estavam precisando de mais. Na mesma hora, nós deslocamos duas ambulâncias do Samu”, explica Caetano.

“Foram emprestados seis cilindros grandes, mais os pequenos das ambulâncias e mais oferecido a mão de obra para ajudar a socorrer os pacientes que necessitavam de um apoio. A maioria dos pacientes do hospital, dependentes de oxigênio, necessitaram de apoio, mas não houve necessidade de remoção de nenhum, só uma grande movimentação por parte dos médicos, funcionários”, afirma o coordenador do Samu.

A operação logística para o empréstimo de oxigênio contou com agentes da Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob) que controlaram o trânsito para permitir a passagem rápida dos veículos que levavam o oxigênio.

“Nesse momento, a gente procura chamar a ajuda de todos, então, houve um pedido por parte do secretário da Saúde para o empenho no empréstimos desses cilindros e eles prontamente atenderam, pessoas particulares ajudaram no transporte dos cilindros, para fazer a logística, buscar nos hospitais. Então, teve um apoio grande”, detalha Caetano.