Paraná

Paraná tem menos homicídios e roubos, e mais prisões

Balanço acerca da segurança no estado nos primeiros cinco meses do ano foi apresentado nesta terça

Menos homicídios, mais prisões, menos roubos e mais drogas apreendidas. Esse é o balanço dos primeiros cinco meses do ano apresentado nesta terça-feira (4), durante a reunião do governador Carlos Massa Ratinho Junior com o secretariado, no Palácio Iguaçu.

O resultado das ações da Secretaria da Segurança Pública foram apresentadas pelo general Luiz Felipe Carbonell, titular da pasta neste período e que deixa o cargo para responder pela diretoria de Coordenação da Itaipu Binacional. No seu lugar assume o coronel do Exército Rômulo Marinho Soares.

“Esses bons resultados são frutos da seriedade e criatividade do trabalho, uma dedicação incrível”, disse o governador, destacando a atuação do ex-secretário e da equipe. Ratinho Junior ressaltou que a troca de secretário não muda a estrutura organizacional da segurança e que todos os profissionais que estão no comando de órgãos vinculados à pasta serão mantidos.

O balanço apresentado por Carbonell mostra a diminuição em 32% no registro de ocorrências de homicídios dolosos, principal indicador da segurança pública. Dos 399 municípios paranaenses, 271 (68%) não registraram este tipo de crime durante o primeiro trimestre deste ano. Nos 128 municípios restantes, 67 tiveram apenas um caso.

Também caíram consideravelmente os índices de roubos seguido de morte (-46%) e de roubos em geral (28,7%). De outra parte, o número de prisões cresceu 253% e a recuperação de veículos roubados teve aumento de 168%. As apreensões de drogas subiram, com destaque para o ecstasy (47,64%).

“O sucesso que conseguimos em poucos meses é por causa do pessoal que fica na ponta da linha, da Polícia Militar, Polícia Civil, Departamento Penitenciário”, disse Carbonell. “Graças a eles, o Paraná tem um dos melhores índices do Brasil em termos de contenção da criminalidade”, ressaltou.

NOVAS AÇÕES – Na reunião foram mencionados pontos que balizarão a gestão da pasta nos próximos meses. Um deles é a implantação do Centro Integrado de Inteligência da Fronteira, em Foz do Iguaçu, uma parceria com o Ministério da Justiça.

Outra ação de destaque é a integração da segurança pública para unificar áreas de planejamento, comando, controle e inteligência em um mesmo lugar, dentro da Cidade da Polícia. O projeto, orçado em R$ 140 milhões, ocupará uma área de 35 mil metros quadrados no bairro Rebouças, em Curitiba, onde funcionava a antiga fábrica da Ambev.

A construção de novas unidades prisionais também foi lembrada, como forma de reduzir a superpopulação nas carceragens. Além de obras em execução, o Estado está finalizando o processo licitatório de quatro novas cadeias públicas, com capacidade para mais de 3 mil detentos e investimento de R$ 69 milhões.