Policial

MP encontra material impróprio em celular de vereador em Apucarana

(Foto: TN Online)

O Ministério Público de Apucarana confirmou que, durante uma investigação para apurar denúncia de compra de votos nas eleições municipais no ano passado, foi encontrado material impróprio envolvendo crianças e adolescentes em um dos celulares apreendidos do vereador reeleito Mauro Bertoli. 

O material, que está sob análise da promotoria criminal, foi encaminhado também para Câmara de Apucarana.

A promotoria criminal informou que o material recebido do processo eleitoral está sob análise e que mais detalhes não serão revelados para não atrapalhar a apuração dos fatos, nem gerar repercussão desnecessária.

O vereador Mauro Bertoli nega com veemência qualquer envolvimento com pedofilia e afirma que pode ter recebido conteúdo impróprio nos grupos de WhatsApp . "Tenho diversos grupos e nos grupos vêm todas essas bobagens. Nunca publiquei nada. Se tinha pornografia ou outra coisa, foi por causa dos grupos”, comenta o vereador frisando que usou bastante as redes sociais por conta da campanha.

“Por causa da campanha no ano passado entrei em muitos grupos e não apagava o material, nem dei atenção", disse.

Mauro ainda destacou que está com a consciência tranquila. "O que a gente analisa é que de todo jeito querem fazer 'auê' com o meu nome. Estou com a consciência tranquila. Nunca me envolvi com menores, jamais. Tenho minha família, meus filhos, estou tranquilo", afirma.  

O jurídico da Câmara vai se reunir na segunda-feira (22) para analisar o material enviado pelo Ministério Público.

"Até que se tenha uma sentença penal condenatória, o investigado é inocente. Isso cabe à promotoria criminal, à justiça.  Ao jurídico cabe analisar se esse material tem ou não influência no atual mandato”, comenta, frisando que uma possível quebra do decoro parlamentar só pode ser caracterizada após conclusão de um possível processo criminal.