Esporte

Brasil vence Argentina e vai à final da Copa América após 12 anos

A final está marcada para as 17h de domingo (7), no Maracanã. O adversário sai da disputa entre Chile e Peru

Só Jesus na causa! O camisa 9 da seleção brasileira, enfim, voltou a mostrar toda a personalidade e categoria do início da carreira e decidiu o clássico contra a Argentina na noite de ontem (2). Graças a um gol e a uma assistência de Gabriel Jesus, o Brasil venceu os rivais por 2 a 0 no Mineirão, em Belo Horizonte, e está de volta a uma final de Copa América depois de três campanhas fracassadas. A última decisão havia sido em 2007, ano também do último título canarinho no torneio.

O placar foi inaugurado aos 18 minutos do primeiro tempo, em uma linda trama ofensiva protagonizada por Daniel Alves, um dos melhores da noite, com assistência de Roberto Firmino para Gabriel Jesus desencantar na Copa América. Jesus ainda apareceu para decidir na etapa final, com arrancada e passe para Firmino ampliar aos 25 do segundo tempo. No fim, houve tempo para a torcida se deliciar com gritos de olé, mesmo diante de toda a dificuldade encontrada ao longo da partida.

A final está marcada para as 17h de domingo (7), no Maracanã, no Rio de Janeiro. O adversário sai da disputa entre Chile e Peru, que se enfrentam amanhã, às 21h30, na Arena do Grêmio, em Porto Alegre. A decisão do terceiro lugar será no sábado, às 16h, na Arena Corinthians, em São Paulo.

Quem foi bem: Gabriel Jesus

O cara da partida. A dedicação mostrada durante todo o jogo foi impressionante. Batalhou e ajudou Daniel Alves a marcar pela direita - coisas que já faz há tempos, até na Copa do Mundo discreta que fez no ano passado. Mas hoje Jesus também brilhou como um atacante de peso. Completou para o gol a bela jogada de Dani Alves e Firmino no primeiro tempo e construiu todo o gol de Firmino no segundo. No fim, extenuado, foi trocado pelo volante Allan.

Quem foi mal: Everton e Arthur

Cebolinha tinha tudo para brilhar diante do pior setor argentino na competição - Lionel Scaloni precisou improvisar o zagueiro Juan Foyth na lateral direita -, mas mal conseguiu pegar na bola. Arthur até participou mais, só que muito distante do ritmo do jogo. Parecia não entender o peso do clássico e ainda errou muitos passes.