Esporte

Autuori  revela cobranças à diretoria do Botafogo por salários atrasados: "Não posso aceitar"

Técnico alvinegro confia em mudanças positivas num futuro próximo: "As coisas vão tomar um rumo diferente e não me refiro ao lance da S/A"

Os recorrentes atrasos salariais do Botafogo com seus funcionários, que não recebem há quase quatro meses, geraram desconforto no clube após um pedido de socorro divulgado nesta quinta-feira. Ao ge, o técnico Paulo Autuori disse que a situação é inaceitável, mas confia em mudanças positivas num futuro próximo.

- Eu não aceito isso, sou um crítico e tenho falado bastante duro com a direção nesse sentido. Não posso aceitar que os jogadores estão sendo pagos e os funcionários não. Isso foi uma das minhas exigências e já aconteceu comigo em outros locais. Quando não foi cumprido o que foi colocado, eu tomei uma posição. Isso está claro para a diretoria do Botafogo, eu não vou ser incoerente.

A coerência citada por Paulo está no seu passado, visto que o treinador já se manifestou e até deixou outros clubes devido à questão de atrasos salariais. Existe no Botafogo uma expectativa muito grande pela transformação em clube-empresa e, com isso, a estabilidade financeira. Mas o treinador defende que o problema precisa de uma solução mais rápida, que ele acredita estar para chegar.

- Isso impacta muito (o dia a dia) e é algo que o Botafogo tem que estancar para as coisas normalizarem não por um período curto. Não adianta pagar agora e atrasar depois, é preciso estabilidade. Eu sou testemunha da maneira como eles estão trabalhando para conseguir recursos e não me refiro ao lance da S/A. É o que precisamos fazer entre o agora e a S/A, num futuro muito próximo as coisas vão tomar um rumo diferente. Minha exigência é que deixemos as coisas numa situação estável e que deem perspectiva de não acontecer novamente no futuro.

- Precisamos de sinais positivos, a diretoria tem dado alguns e sou testemunha do trabalho. Converso diariamente com os jogadores e funcionários, e os funcionários do Botafogo são extraordinários. A justiça é pensarmos em todos e não priorizarmos alguns. Eu estou otimista sobre a maneira como as coisas estão acontecendo. Minha maior riqueza é a credibilidade que tenho e não posso perder isso. Está muito próximo de as coisas mudarem e não estou falando de S/A, mas de um futuro imediato - afirmou o treinador ao ge.

Após a carta divulgada pelos funcionários, o presidente do Botafogo, Nelson Mufarrej, se manifestou e disse que o clube prevê quitar parte dos vencimentos nos próximos dias. Na declaração, o mandatário informou ainda que os jogadores receberam um mês de salários nesta quinta, o que causou mais desconforto entre os trabalhadores, que preveem protesto caso não recebam em breve.

O último pagamento aos funcionários aconteceu no dia 13 de julho, quando o clube quitou o que restava de março e 12% de abril. A pequena parcela gerou indignação entre os trabalhadores, que têm a receber o restante de abril, maio e junho. Julho vence na próxima quinta-feira.

O treinador falou sobre esse e outros assuntos na entrevista exclusiva ao ge que vai ao ar completa nesta sexta-feira, em texto e podcast. Autuori prometeu um time competitivo para a disputa do Campeonato Brasileiro, falou sobre a evolução de Honda e entregou como pensa em usar o marfinense Salomon Kalou no ataque.